34 - No quadro atual, como proceder à avaliação sumativa interna dos alunos do Ensino Secundário Recorrente?

Dada a situação especial atualmente vivida, as escolas estão impossibilitadas de realizar provas de avaliação presenciais. A Portaria n.º 242/2012, de 10 de agosto, no Artigo 14.º, permite a diversificação dos meios de avaliação, de modo a que os professores optem pelos mais adequados. Esta capacidade de adequação dos meios de avaliação deve ser agora potenciada, tendo em conta as contingências atuais e excecionais por que passa o país.

O n.º 11 do Artigo 15.º da referida Portaria determina, sobre a  avaliação sumativa interna no regime de frequência não presencial, que as provas de avaliação podem assumir diversos formatos (Prova escrita; Prova oral; Prova prática; Prova escrita com componente prática), cabendo à escola equacionar e decidir sobre os tipos de prova e os instrumentos de avaliação a aplicar bem como sobre a sua adaptabilidade às condições atuais.

Cabe à escola equacionar as alternativas que melhor respondem às necessidades que lhe são específicas, acautelando a prestação de provas a distância, bem como a sua adaptabilidade a estas condições específicas, minimizando as possibilidades que podem resultar na injusta adulteração de resultados finais alcançados.